SÍNDROME DO PÂNICO - tratamento e cura

Síndrome do Pânico ou Sintomas Mediúnicos ?



Síndrome do Pânico é considerada na medicina psiquiátrica como uma enfermidade que se caracteriza por crises absolutamente inesperadas de medo e desespero.


Toda doença é um distúrbio objetivo do organismo que pode ser diagnosticado por máquinas, por exames adequados, sobre o qual especialistas podem formar um consenso. Já a enfermidade é subjetiva, é uma sensação, uma síndrome.
A síndrome é um termo bastante utilizado em Medicina e Psicologia para caracterizar o conjunto de sinais e sintomas.
Quem padece de Síndrome do Pânico sofre durante as crises e nos intervalos entre uma e outra, pois não faz a menor ideia de quando elas ocorrerão novamente.
A qualidade de vida fica seriamente comprometida e o medo de uma nova crise debilita a pessoa e prejudica sua rotina diária.
Eu sofri muito com as crises denominadas como Síndrome do Pânico , desde minha adolescência e por não encontrar respostas justas na medicina, iniciei minha busca pelo caminho da espiritualidade , aonde pude compreender as causas de tanto desconforto.

Os sintoma são: taquicardia, falta de ar, dor ou aperto no peito, formigamento, tontura, tremores, náusea ou desconforto abdominal, embaçamento da visão, boca seca, dificuldade de engolir, sudorese, ondas de calor ou frio, sensação de irrealidade, despersonalização, sensação de iminência da morte.

Não há um exame de sangue ou outro exame médico que possam justificar uma causa material  para a síndrome. Não há comprovação científica para as causas do transtorno. A medicina e a psiquiatria trabalham através de hipóteses, tratando os sintomas com medicamentos antidepressivos e ansiolíticos junto à psicoterapia.

As crises repetidas desses sintomas desagradáveis podem acontecer a qualquer instante sem qualquer explicação aparente.

Muitos associam as crises  a um alto e constante grau de ansiedade, mas quem sofre desses sintomas, sabe muito bem que nenhuma situação de estresse se compara à síndrome.
 
Quando estamos ansiosos podemos ter alguns sintomas típicos, mas a despersonalização que acompanha o transtorno e o medo iminente de morte denota uma descompensação vibratória comum à mediunidade.
Mediunidade é a capacidade de captar energias sutis e de outros espíritos. Quando aflorada e não desenvolvida, a mediunidade provoca a sintomatologia física e mental de uma Síndrome do Pânico.
Como espíritos, todos somos médiuns em variados graus. Porém há médiuns com alto grau de vulnerabilidade e com uma aparelhagem mais apurada, que lhes concede uma sensibilização maior.
A descompensação vibratória é um desajuste entre os corpos físico e sutis, uma “abertura” que possibilita ao médium uma maior captação das influências das dimensões sutis.
No meu caso, sou médium ostensiva de incorporação e psicofonia.
A incorporação é a faculdade mediúnica através da qual, os espíritos desencarnados se acoplam ao médium para canalização de mensagens, pela palavra oral, denominada também por psicofonia, ou pela escrita, psicografia. A incorporação é utilizada também  para trabalhos de orientação, aconselhamento, desobsessão, limpeza energética e cura.

Os sintomas do transtorno do pânico  também podem identificar uma capacidade mediúnica, exacerbada por desequilíbrio emocionais, mentais e espirituais, que causam a descompensação vibratória.
Alguém em situação de depressão pode desestruturar seu corpo energético.

Quando nos sentimos depressivos, descontentes, magoados, mal amados e não temos suporte suficiente para nos libertarmos das amarras do vitimismo, podemos provocar a nossa despersonalização e descompensação vibratória, porque nos sentimos infelizes com nossas vidas, com o que somos. É como se fugíssemos de nós mesmos. Afastamo-nos da vida física e perdemos o enraizamento com as forças telúricas.

O uso de drogas, as crises de violência e raiva e alguns traumas também podem fazer surgir a síndrome, além dos ataques obsessivos de espíritos sofredores desencarnados.

Importante notar que, seja qual for a causa,  sempre provocará um
 rasgo no véu fluídico que nos separa do mundo espiritual.

Há na Síndrome do Pânico um afastamento do controle do ego e, por isso, o medo aterrorizante da morte. A desidentificação ou despersonalização incorre numa reação de desespero.
Sendo o ego nossa identidade, quando há o seu afastamento temos a impressão de enlouquecer. Perdemos o chão e o controle.
O tratamento para a Síndrome do Pânico  deve conter a integração de todos os elementos responsáveis pela formação do ser. Compreender quais os fatores que estimulam as crises e adquirir instrumentos para retomar o autocontrole.
O medo perde sua força quando o desconhecido é reconhecido.
Trazer à tona traumas e fixações desta ou de outras vidas, desequilíbrios dos corpos energético, emocional, mental e espiritual.
O tratamento inclui realinhamento entre os corpos dimensionais, a psicoterapia transpessoal , o autoconhecimento e o despertar da consciência integral.  A terapia transpessoal inclui além dos aspectos físicos e psicológicos , a dimensão energética e espiritual de forma transreligiosa.
A religião, apesar de seus benefícios, traz em si o dogmatismo e crenças que limitam a expansão consciencial.  Os estudos contidos na religião são voltados apenas à esfera doutrinária.

 Os medicamentos alopáticos  entorpecem os sentidos mais sutis e não curam, além de criarem dependência física e psicológica.


A
 Descompensação Vibratória  produz uma série de sintomas associados aos centros nervosos e chacras, influenciando todo o sistema endócrino e a liberação hormonal.
Todos nós nascemos, morremos e renascemos tantas e quantas vezes necessárias. Somos um conjunto de identidades vividas,  evoluindo através das encarnações sucessivas e da iluminação das sombras recalcitrantes. A reconexão com nossa essência espiritual nos liberta e nos une ao Todo.


Tanto para os médiuns, que já nascem com essa peculiar composição, quanto aos médiuns desajustados por outras causas,  a cura é um caminho de transformação interior.
Pela mudança dos padrões repetitivos de comportamento, pensamentos e emoções. Despertar a consciência de si mesmo. Perceber e sentir a luz e as trevas que nos habitam e que nos tornam únicos. Compreender a consciência além do ego.

Ter consciência corporal, energética, emocional, mental e espiritual. Reconhecer a inteligência que está presente  em cada um de nós, direcionando cada elemento de nosso ser multidimensional.



Namastê!

Comentários