Rigidez do Espírito, Inflexibilidade do Corpo


Você é uma pessoa muito rígida e controladora? Se sua resposta é sim, poderá sofrer, ou já foi acometida por problemas articulares.

O que nos torna flexíveis?

Os movimentos de nosso corpo são proporcionados pelas articulações.

O Sistema Articular é formado por um conjunto de articulações,  que são pontos de contato entre dois ou mais ossos. A mobilidade, porém, causa um atrito, que é amenizado pelo Sistema Articular com a existência das bolsas sinoviais, que agem como amortecedores entre os ossos e os tecidos à sua volta.

Os taoistas consideram as articulações como portais ou centros de energia ch’i, nos quais ela é gerada e armazenada. A estagnação dessa energia produz a rigidez. Os tendões também fazem parte desse processo e na MTC – Medicina Tradicional Chinesa o fígado é responsável pelo fluxo energético saudável das articulações e dos tendões em geral.

Enquanto que para a medicina convencional, as doenças articulares são consequência do sistema autoimune, de causas desconhecidas ou de sobrecargas, a medicina chinesa atribui, na grande maioria dos casos, as afecções articulares a fatores climáticos. Algumas pessoas sentem dores nas articulações somente quando há mudança do clima.

Segundo a ciência psicossomática, as dores e problemas nas articulações são frutos de rigidez de pensamento. Mente crítica demais, reclama de tudo, está sempre infeliz. Há um bloqueio de manifestações, de choro ou raiva, por exemplo, e da negação de lidar com assuntos antigos, mas que causam muito incômodo.

As emoções reprimidas causam acúmulo de fluidos e os meridianos, que são os rios por onde fluem a energia ch’i, entram em estagnação. Imagine as articulações como as curvas de um rio, que em seu curso natural, sofre mais resistência nesses pontos. Se contemos uma emoção, ela fica represada. O corpo se retrai, contraindo a reação emocional, como no caso da raiva.

Quando sentimos raiva, o nosso corpo imediatamente “trava”, as articulações se enrijecem e ficamos prontos para “atacar”. Um animal antes de deferir ataque contra sua presa, reúne toda a sua energia para então direcioná-la ao alvo.

Vamos vivenciar essa emoção neste momento. Procure algo que lhe detone a emoção da raiva. Lembre-se de um incomodo, da última vez que o sentiu e como a raiva tomou conta de você. Coloque essa emoção em seu corpo. Perceba a retração que ocorre em todas as articulações. Percebeu?

Muitas vezes passamos por sofrimentos que não sabemos como lidar. Criados com um senso de autocrítica muito forte, tentamos implodir essas emoções negativas. Ao reprimirmos esse lado mais sombrio de nossas emoções, confinamos ao inconsciente esse aspecto de nosso ser, que deveria ser trazido à consciência.

Nossos corpos sutis acumulam toda a carga energética não extravasada e as enfermidades se manifestam a partir do corpo astral até se abrigarem no corpo físico.

A raiva é uma emoção muito forte, e como um vulcão fechado, implode em nosso ser provocando enorme estrago. Nos corpos energético e emocional ela desestrutura a aura.

A rigidez é um disfarce, uma postura mental que afeta a postura corporal.

Tornar-se flexível significa aceitar as imperfeições, os ventos e tempestades da vida de forma mais resignada. Abrir mão de controlar a si e a vida, considerando a dualidade de todas as coisas e ampliando a visão que integra os polos positivo e negativo.

Algumas pessoas trazem nesta vida o Kharma de aprenderem a ser mais flexiveis. Pode acontecer que dentro da família, filhos ou outros parentes sejam totalmente contrários as convenções do rígido e isso o obriga a mudar sua postura. No trabalho é colocado em situações que exigem estar aberto às mudanças.


Desapegar das verdades que o ego carrega, permite que a energia flua e abra espaço para acolher novos conhecimentos e conceitos.

Reconecte-se com a natureza através da técnica Wei Wu Wei. O princípio é bem simples, vou ensinar uma prática para lhe ajudar:




  • Sente-se em local tranquilo e incorpore um bambu, sinta-se um bambu.
  • O bambu está plantado ao solo e verga humildemente frente a um vendaval.
  • Ele aceita sua condição e deixa a natureza fluir.
  • Balance seu corpo para um lado e para o outro, para frene e para trás, faça movimentos circulares sem sair do  centro.


Essa prática é poderosa e possibilita ao corpo e a mente uma nova interpretação. A rigidez traz em si o orgulho. O bambu nos ensina a humildade.

Viver de forma diferente, fazer diferente,   experimentar algo que vá além de suas próprias crenças. Aprender uma dança nova, ler um livro que nunca pensou em ler, ir a um lugar que nunca foi antes e não julgar.

Sair da rotina proporciona uma revolução interior. Sair da zona de conforto, na qual a mente e o corpo já se viciaram. Você criará novas estruturas de conexão em sua mente e sairá do automatismo reativo.

Tornar-se mais flexível faz multiplicar os recursos disponíveis no caminho das realizações pessoais e profissionais. Permite nos abrirmos para o novo, enriquece e expande.

Estar disponível às mudanças em todos os ãmbitos da vida. Não insistir em algo que já está ultrapassado, que já não lhe serve mais.

Deixe fluir a vida em você e transforme a energia contida nas emoções em atitudes positivas e criativas.

Namastê

Nenhum comentário:

Postar um comentário