SÍNDROME DO PÂNICO - tratamento e cura

Por que o placebo cura?

Resultado de imagem para placebo medicamento

Placebos podem ser considerados todos os procedimentos ou substâncias que provocam uma alteração positiva na saúde, sem que haja um principio ativo farmacológico ou qualquer intervenção efetiva que justifique o resultado.

Muito utilizado para testes de qualidade farmacológica de medicamentos, o placebo, que pode ser um comprimido de açúcar ou farinha, é administrado a um grupo de pessoas e, então, compara-se o resultado em relação a outro grupo que recebe a medicação ativa.

Logo, notou-se que o placebo provocava benefícios e até os efeitos colaterais indesejáveis - efeito nocebo, tanto quanto o remédio verdadeiro.

Em procedimentos cirúrgicos, o efeito placebo também foi estudado e comprovado.

Em uma pesquisa sobre a eficiência da cirurgia de ligação de uma artéria no tórax na angina de peito (dor provocada por isquemia cardíaca crônica), o placebo consistia apenas em anestesiar o paciente e cortar a pele. Como resultado, os pacientes tiveram 80% de melhora. Os que foram operados de verdade tiveram apenas 40%. Em outras palavras: o placebo funcionou melhor que a cirurgia. (Efeito Placebo: O Poder da Pílula de Açúcar Julio Rocha do Amaral, MD e Renato M. E. Sabbatini, PhD).

A ciência ainda não consegue explicar o efeito placebo, porém admite a sua representatividade na condução da cura.

Vale dizer que, todo medicamento além de seu princípio ativo tem seu potencial de placebo.

Como explicar o efeito placebo?

O corpo responde aos estímulos que a mente e o coração produzem. Pensamentos e sentimentos geram saúde ou doença. Este é fundamento do ser holístico e multidimensiional.

Se acreditamos na cura, ela acontece. E não adianta apenas falar que acredita. Se não houver a participação sincera do coração, a razão não será capaz de curar.

Trata-se de um sentimento de confiança, capaz de alterar o fluxo de energia que até então mantinha o estado de desequilíbrio.

Não é um processo consciente, que pode ser controlado. É um salto quântico que acontece no vazio da mente e do corpo.

Quando deixamos de controlar, seja o que for, em nossa vida, a mudança se torna viável.

Para que algo flua, não podemos represá-lo. Você não pode aprisionar sua doença em um calabouço, ou impedir que ela se manifeste. Ela está aí, agindo e você tanto pode fortalecê-la quanto enfraquecê-la.

Veja, quando alguém toma um placebo, achando que é um medicamento, capaz de curar, o seu corpo obedece ao seu sentimento de confiança e entrega. Racionalmente, não há interferência mental negativa.

Na condição mental de querer controlar, o medo é a emoção dominante e a cura não acontece nessa energia desarmônica.

Quando a pessoa tem dúvidas quanto a sua cura ou a eficiência do medicamento, a mente racional cria uma barreira e o corpo não consegue realizar o seu papel.

O corpo é inteligente, a anatomia, suas formas externas e internas dos órgãos e sua fisiologia  mostram a organização da alma, de seus sentimentos e pensamentos.

Em sua homeostase, ou equilíbrio dinâmico, o corpo está sempre em processo de autocura. Faz parte de sua natureza como forma viva e pulsante.

A razão pode ajudar ou atrapalhar, quando interfere nesse mecanismo natural.

Isso nos leva a concluir que, temos que tomar muito cuidado com as nossas crenças. Elas podem nos matar!

Por isso, a prática meditativa é tão recomendada para o exercício da cura. Com o intuito de acalmar a mente, mantenedora de nossas crenças, passamos, na meditação, de um estado controlador para um estado de entrega, no qual o corpo tem a oportunidade de desempenhar sua dinâmica, sem a influência negativa da mente.

Apesar de não haver nenhum ativo farmacológico ou intervenção reconhecida cientificamente, sabemos que o placebo engana a mente, desviando-a de seus julgamentos.

O efeito placebo induz à mente inferior, a calma necessária para que se faça a conexão com a fonte inesgotável de Luz que o Divino nos emana.

Em seus desequilíbrios, de toda ordem, lembre-se que para estar na energia curadora do Todo, você precisa sair de sua condição mental usual, que classifica, condiciona, interpreta. Abandone a razão e abraçe o fluxo amoroso presente no fluido cósmico universal.

Quando você capta essa energia ela se vivifica em seu corpo, purificando sua aura. Neste estado de espírito você se desvencilha do ego e de todas as doenças que ele pode ter plantado em seu ser. Você cria a oportunidade de um recomeço, a renovação que se faz na transformação interior.

MEDITAÇÃO PARA A CURA 
  • Feche os olhos e imagine que está boiando em águas límpidas de um rio.
  • Deixe que o fluxo do rio leve o seu corpo em sua rota, entregue-se.
  • Confie que você está sendo levado para a cura, seja de um problema físico, psicológico ou de relacionamento.
  • Sinta o sol aquecendo seu corpo e seu coração, tocando-lhe a alma como as mãos de Deus.
  • Então, você é levado com as águas do rio de encontro ao mar.
  • Nesse momento, você se sente integrado ao oceano, livre, leve e solto.
  • Permaneça por quanto tempo quiser nessa sensação de envolvimento e vazio.
  • Quando terminar, volte devagar, abra os olhos e inspire profundamente a vida.
Seja Amor!

Consultas particulares: Orientação e Terapia Transpessoal - informações e valores envie e-mail para nadyaprado@uol.com.br

Para conhecer e acompanhar o trabalho de Nadya Prado acesse: http://www.psicologiaespiritualista.blogspot.com.br

Curta a página oficial de Nadya Prem no facebook: http://www.facebook.com/nadya.r.s.prado

 

Comentários