Obsessão Espiritual - Causas, sintomas e tratamento


Obsessão espiritual é a influência persistente e negativa que um ou mais espíritos podem exercer de forma dominante em uma pessoa, por meio de ideias fixas, perseguição, excitação dos sentidos, vampirismo.

Segundo o Espiritismo, as obsessões podem ser classificadas como:

Obsessão simples: ação inoportuna e desagradável, em que um Espírito se agarra à pessoa com tenacidade, causando mal-estar generalizado.

Fascinação: é uma ilusão produzida diretamente na mente do obsediado (ideias fixas, imagens hipnotizantes, mágoas, fantasias etc.). Nessa situação, o obsessor é ardiloso e hipócrita, simulando falsa virtude.

Subjugação: é uma constrição, moral ou física, que paralisa a vontade do que a sofre e o faz agir a seu mau grado.

(O livro dos Médiuns, XXIII/237-241)

A pessoa que sofre o processo obsessivo tem sua aura enfraquecida, sua energia sugada e está com seu campo aberto às influências espirituais. Os espíritos desencarnados que se dispõem a esta conduta, possuem uma energia densa e maléfica, capaz de minar o obsediado.

Podemos reconhecer uma obsessão espiritual em consultório diante de algumas posturas do paciente. No primeiro contato que faço, com a ficha de anamnese nas mãos e a entrevista, posso avaliar o estado espiritual do cliente. Normalmente, a pessoa que sofre de uma obsessão, tem uma resistência muito grande ao tratamento. A falta de aceitação e flexibilidade é notória. Isso ocorre devido à perturbação áurica que a impede de perceber algo além de seus próprios pensamentos, sentimentos e emoções repetitivos e alienados. A pessoa fica submetida ao padrão imposto por seu obsessor. Sintoniza-se a ele, inicialmente, por “simpatia”, uma afinidade vibratória ou carmática. Casos de depressão, transtornos ansiosos, bipolaridade, TOC e tantos outros desequilíbrios psicológicos são muitas vezes fortalecidos por obsessões espirituais.

O espírito obsessor conhece o ponto fraco do espírito encarnado, apesar dele não demonstrar publicamente e em alguns casos nem ser consciente, suas inclinações menos felizes são facilmente reconhecidas em seu corpo astral.

Alguns espíritos desencarnados obsessores são membros de falanges, grupos espirituais com determinado fim e padrão vibratório. Tem um papel hierárquico dentro do grupo como, por exemplo, assediar uma pessoa com algum objetivo escuso. Desde aliciar novos membros até vinganças de vidas passadas.

Há obsediados que em outras vidas e na erraticidade estavam unidos a essas falanges e reencarnam com o intuito de se desvencilharem dessa sintonia grupal. Nesta vida são procurados e submetidos à perseguição. A Providência Divina permite, sem interferir, a influenciação como uma bênção redentora que fortalece o espírito contra seus desvios passados e aos poucos com sua reforma interior, há naturalmente o afastamento definitivo.

Espíritos com sede de vingança também buscam aquele que lhes fez “mal”, atormentando sua experiência terrena, podendo causar a loucura e suicídio.

Psicologicamente, a obsessão é uma neurose que se define por pensamentos ou ações repetitivas e compulsivas. Transtornos alimentares, vícios como o cigarro, o álcool e as drogas mais pesadas, são portas abertas para o vampirismo. Portanto, não se enganem, toda compulsão pode conter  uma obsessão espiritual.

Quantos espíritos circulam próximos à esfera terrena por manterem após a morte seus antigos apegos à matéria?

O viciado em crack, por exemplo, se não aceitar ajuda dos socorristas do espaço, provavelmente caíra em “terra” e se juntará as emanações fluídicas de outros viciados. Além disto, sua condição vibratória atrairá a mesma estirpe espiritual.

Gosto de citar o filme Ghost , com Patrick Swayze e Demi Moore, de 1990,  para descrever o ímã energético que une espíritos afins após a morte do corpo físico. Tem uma cena em que o vilão desencarna e, naquele momento, vários espíritos trevosos aparecem para levá-lo. Assim como, também,é muito interessante a união amorosa entre o casal principal. O filme mostra com simplicidade a questão da sintonia vibratória semelhante atraindo os espíritos com o mesmo padrão energético.

O obsediado é alguém que abre espaço energético e permite a influenciação, mesmo que inconsciente do fato. Não há como negar que os laços fluídicos que o mantém preso são provenientes de seu automatismo vivencial. Crenças que carrega sobre si e a vida, falta de autoamor, vitimização, egoísmo. Ilusões sobre a vida terrena, materialismo, falta de conexão com os amparadores espirituais.

Nem sempre existe um espírito obsessor atuando sobre a pessoa. Precisa ser observado que a influência obsessiva pode ser originada de construções energéticas plasmadas pela própria vítima e também por espíritos, denominados magos negros. Eles manipulam e se aproveitam dos corpos vitais, denominados de cascões, de recém-desencarnados acoplando-os na aura do obsediado. Formas-pensamento e miasmas também ganham vida e podem aderir ao campo áurico produzindo desgastes e doenças físicas e mentais.

A obsessão é sempre o resultado de um apego exagerado ao passado ou ao futuro. Ressentimentos que se fixam nos planos mental e emocional. Sentimentos de culpa e pouca autoestima. A carência afetiva e psicológica provocam dependência e vícios de toda a espécie. A “mania” de controlar e de perfeição, a preocupação exagerada com detalhes, também desencadeiam desequilíbrios no campo áurico.

Os arroubos de raiva, crises depressivas e ansiosas, perversão sexual e tantos outros ativadores da desarmonia energética e aproximação de espíritos sofredores que acabam se sintonizando ao padrão emocional e mental compulsivo e autodestrutivo.

Toda condição obsessiva revela certa falta de cuidados consigo mesmo. “Conhece-te a ti mesmo” e encontrará a causa.

Imersos no mar energético, nunca estaremos sozinhos. Podemos nos encontrar encouraçados em nossas crenças e sob as amarras do ego, mas jamais estaremos isolados. Estamos em constante interação com as forças análogas do universo espiritual.

Para evitar a obsessão ou se libertar de um processo obsessivo, temos em mãos alguns instrumentos que servem como remédio provisório e coadjuvante. Para o tratamento e prevenção, demanda-se o concurso de um terapeuta habilitado que possa agir nos planos mental e emocional do cliente concomitantemente ao plano astral do obsessor.

Sal grosso: fazer escalda-pés com sal  para “puxar” as negatividades;
Banho de limpeza com ervas (alecrim, arruda, alecrim, espada de São Jorge, manjericão, comigo-ninguém-pode e pimenteira);
Defumação ou incenso;
Conexão espiritual com os benfeitores espirituais, através da oração sincera;

A cura definitiva dependerá de um trabalho terapêutico de autoconhecimento e transformação interior. Mudanças profundas que possam remover do ser espiritual as nuvens da ilusão.

Pensamentos, sentimentos e emoções criam formas nos corpos sutis e refletem no corpo físico. Mudança de hábitos, abdicar de preconceitos, expandir a consciência para novos horizontes. Medidas necessárias para evitar e curar as obsessões espirituais.

Na vida diária, o espírito pratica sua transformação interior, liberta-se dos apegos e acolhe o amor incondicional.
Reflita se há algum sentimento que vem carregando como bagagem e que já se acostumou com ele. Tome consciência do quanto se pune, exigindo a perfeição em si mesmo. Reconheça os seus medos e inicie o enfrentamento com coragem amorosa e conectada ao Todo.


Se sofre porque perdeu alguém que amava, por estar doente, com problemas financeiros ou familiares, peço que pare neste momento para uma breve meditação:
  • Feche os olhos e visualize a energia da luz violeta cintilante, em forma de uma estrela brilhante;
  • A estrela penetra pelo alto de sua cabeça, jorrando sua luz por todos os lados;
  • Passando por todo o seu ser limpando e reequilibrando sua aura;
  • Pelos pés, a energia adentra as profundezas da terra levando suas negatividades que são dissipadas.
Não tenha medo dos espíritos que possam querer lhe assediar. Em meus atendimentos, quando há necessidade de desobsessão, ensino sempre que a energia do medo é o pior inimigo do obsediado.
Vibre amor pelo irmãozinho carente e afastado da luz e se houver uma brecha no coração dele para receber um pouco dessa energia benéfica, você estará lhe ajudando a despertar de seu estado doentio.

Se, ao contrário, ele for refratário, acabará se afastando por não estar em sintonia com a sua energia amorosa.

Para evitar os assédios espirituais, mantenha-se em comunhão com o Divino, abstenha-se dos vícios mentais que reforçam o julgamento, o preconceito, as negatividades. Esteja conectado com seu corpo e sua alma, ame-se e viva o aqui e agora.

Seja Amor!

Nadya Prem  

Comentários