TREINANDO SEU SEXTO SENTIDO



Quando nascemos nossos pais nos ensinaram a falar, andar e usar adequadamente os cinco sentidos. Sentindo distinguindo o perfume das flores e os odores desagradáveis, identificando paisagens e pessoas. Crescemos, fomos à escola e aprendemos a escrever, a fazer contas e uma série de outras habilidades por meio dos nossos sentidos. Na profissão que escolhemos nos tornamos competentes e utilizamos dos sentidos de formas variadas  Mas, e nosso sexto sentido?

Ninguém nos ensinou a usá-los. Não há escola, até então, que tenha em sua grade curricular, uma matéria que desenvolva o nosso sexto sentido. Dom natural que trazemos  como espíritos em nossa multidimensionalidade.

Nosso espírito está se manifestando na matéria física e para tanto ele se reveste de vários corpos energéticos que o permitem transitar por aqui. Cada um desses corpos sutis interage com a vida terrena.
O sexto sentido ou mediunidade é a interação entre os mundos terreno e sutis.

Quando encarnamos somos agraciados pelo véu do esquecimento de nossas vidas passadas e de nossa condição como espíritos. Estamos galgando os primeiros degraus da evolução e o nosso planeta tem uma aura muito densa, que reflete a nossa condição evolutiva, ainda precária. Somos muito apegados aos valores materiais e as sensações vulgares. Pouco conhecemos sobre nossa essência espiritual.

O sexto sentido será  considerado com naturalidade à medida que o seres humanos evoluam, despertando sua consciência.Temos a cada dia mais espíritos renascendo com o sexto sentido desenvolvido e com o compromisso de auxiliar a humanidade a despertar para sua essência espiritual.

O medo ainda impera entre os homens. Conhecer sua natureza espiritual é um trabalho que exige coragem, imbuída do amor que transforma os corações. Somos chamados ao trabalho em prol da evolução terrena. Para tanto o sexto sentido é imprescindível.

Quantos espíritos trouxeram ao mundo terreno o conhecimento que acelerou seu progresso. Infelizmente, quase  sempre, mal utilizado pelo instinto egoísta e ambicioso.
Esses homens de coragem continuam a renascer para ajudar o desenvolvimento humano. Nesse grupo estão os médiuns de toda espécie. 

Einstein, espírito mais evoluído, veio a Terra, encarnado com esse propósito. Ele tinha um grande resgate adquirido em outro planeta mais evoluído que este. De onde veio tanto conhecimento? Como explicar sua sapiência?
Em seu espírito imortal estavam gravadas suas memórias que pelo acesso mediúnico trouxe à tona em sua vida .

A mediunidade ou sexto sentido, como queiram, é um atributo natural que em alguns está mais desenvolvido que em outros. Sabemos que a causa desse estado mediúnico pode tanto ser alavancada pelo altruísmo e a dedicação ao amor incondicional quanto por reajustes do espírito em délito com o Criador e as criaturas.

Seja pelo amor ou pela dor, o destino do ser é a evolução e a conexão direta com o Divino.


Mensagem de Elucidação dos Guias Espirituais 



Queridos irmãos,

É com um doce sentimento de brandura que venho me comunicar com vocês.

Fui abençoada pela oportunidade de trazer um pouco de luz, não minha, mas de nosso eterno Criador.

Ele nos permitiu estar aqui para auxiliá-los no empenho de transformação interior.

Cada um de vocês precisa aprender a praticar seu sexto sentido ou mediunidade.

Cada um de vocês possui o potencial para manifestar o Divino que os habita.

Essa manifestação se faz presente por meio da mediunidade.

O corpo físico é apenas um veículo para se movimentarem no mundo denso. Ele possui vida enquanto for morada temporária do espírito.

Estar em conexão com a Luz tem como premissa a sutilidade que somente o espírito pode alcançar. O corpo humano , por si só, não pode navegar nas águas profundas do Todo.

Jungidos pelo peso da esfera terrena, os espíritos permeiam pelas dimensões sutis como mortos-vivos. Sem nenhuma consciência de sua condição, ficam a mercê das energias destoantes que a região umbralina emana em todas as direções.

Envolvidos pelo orgulho e ilusão da intelectualidade esquecem seu verdadeiro destino e paragem

Acordem filhos, despertem desse sono agitado!

O pesadelo que vivenciam da dor e do sofrimento é apenas criação humana.

Estamos unidos para trazer ao planeta elucidação e consciência.

Se você já começou a iluminar o seu caminho pela reforma intima poderá usufruir desse portal de conhecimento e renovação.

Desprenda-se dos preconceitos, julgamentos, dogmatismos e crenças.

Liberte-se do homem velho!

Viaje nas ondas crescentes da expansão da consciência.

Não há mais como retornar ao antigo estado de prostração, urge a mudança, sejamos breves e eternos.

Breves em empenho evolutivo e eternos em amor compassivo.





RAYANNA Além das Fronteiras

Enviados de Deus

Canalizado por Nadya Prem


Para entrar em contato com seu sexto sentido:



Vamos neste artigo trazer uma prática para treinar a sua terceira visão.



·        Uma vez por semana, sempre no mesmo dia e horário, escolha um canto acolhedor de sua casa ou de um parque e se sente             confortavelmente.

·        Silencie, feche os olhos e entre em contato com ser corpo.

·        Perceba sua respiração, seus pensamentos, seus sentimentos.

·        Deixe fluir o que vier e tome consciência de seu estado emocional.

·        Após alguns minutos de contato com o seu ser, abra os olhos e comece  a focar  o seu olhar em um objeto específico, seja numa  árvore ou uma vela acesa.


·        Toda vez que dispersar com pensamentos e outras distrações, volte a focar o objeto escolhido.

·        Após alguns minutos, feche os olhos e deixe que seu terceiro olho dê continuidade para a prática, percebendo que a imagem focada     continuará presente em seu cérebro e desta vez apenas ativada pelo sexto sentido visual do chacra frontal , entre as sobrancelhas.

·        Pode ser que esse objeto focado vá desaparecendo aos poucos e outra imagem surja.

·        Deixe que seu terceiro olho visualize livremente...

 

Para agendar orientação com Nadya Prem envie e-mail para nadyaprado@uol.com.br

Quem você leva para sua cama?



Ao deitar para dormir trazemos em companhia o que vivenciamos. Pessoas, lugares, sentimentos e pensamentos, o que dissemos e como reagimos a cada momento do dia.
Incorporamos coisas boas ou não tão boas, que vão para a cama conosco e se tornam nossos sonhos ou pesadelos, que tiram o sono e atormentam como fantasmas, ou que acalentam e acalmam.
Na hora de dormir, a nossa verdadeira condição espiritual se revela, seja agradável ou não. Prevalece o silêncio externo e acordam as imagens, vozes, ruídos internos.  Sutis, porém tão vivos quanto a realidade material.

Morte e Luto - Om Nama Shivaya


O luto é um momento na vida da gente em que passamos pela perda. Não apenas quando perdemos uma pessoa querida que desencarna, mas todas as perdas significativas.

Elisabeth Kubler Ross em sua experiência com pacientes terminais identificou 5 fases do luto, as quais vivenciamos na perda:

  1. Negação
  2. Raiva
  3. Barganha
  4. Depressão
  5. Aceitação


Muito interessante notar quantas vezes já passamos por algumas dessas fases e o quanto podemos aprender sobre cada uma delas nesta perspectiva sobre o luto.

Vivemos sempre na expectativa e ela é a causa de nossas frustrações. Nem sempre as coisas são como desejamos e lidar com a impermanência da vida material é bem difícil, principalmente com a morte.

É tão óbvio o quanto negamos a morte na vida diária! Tentando driblar, buscando mecanismos de defesa e proteção. Para uma falsa sensação de segurança. A autopreservação e sobrevivência nos encaminha neste sentido. Porém, podemos olhar para a morte além da mente egoísta e de suas reações animalizadas.

A raiva significa a defesa insana contra algo que nos tira a segurança, a estabilidade, o conforto. Uma zona de perigo que nos faz reagir atacando. O medo do imprevisível e a dor provocam a raiva.

A barganha é a ilusão de que podemos negociar a morte, tratando de fazer promessas, buscando a religião e outras medidas desesperadas. Não apenas com a morte, mas com tudo o que não queremos perder, de alguma forma, procuramos uma saída da situação que nos causa tanto sofrimento.

A depressão é o sentimento que nos coloca em introspecção para assimilar a perda e que deve nos levar finalmente a razão e a aceitação.

Quando estacionamos em uma das fases anteriores a aceitação, não finalizamos o processo do luto, que deve ser compreendido como um ciclo necessário e natural. Vivenciar o luto é um mal necessário, um ritual de amadurecimento e entendimento.

Se você perceber que estagnou em uma das fases e ainda não chegou à aceitação, é hora de deixar ir, desapegar, entregar.
Confie na Natureza e em seus ciclos que ensinam que nada morre, tudo se transforma.



Shiva o Deus hindu, o grande transformador, representa a morte e o renascimento. Ele é responsável por nos ensinar o desapego, a morte do ego e das ilusões que nos prende ao sofrimento.

                                                              OM NAMAH SHIVAYA



O mantra de saudação a Shiva nos conecta ao amor divino e incondicional, ajudando a libertação do ego e a aceitação.




Namastê!




Impondo limites energéticos nos relacionamentos



Como médium ostensiva, sou muito suscetível a sentir as emoções e pensamentos que me circundam e que não me pertencem. A cada atendimento que faço, preciso estar atenta para não confundir minha energia com a do cliente. Perceber como estou, entrar em contato com meu ser, antes de cada sessão. Preparar-me energeticamente e modular meu sexto sentido, para poder interagir com o campo de energia do cliente, sem me perder... Deixar-me um pouco, expandir minha consciência e ir além dos limites sem, no entanto, permitir ser invadida. No final do processo terapêutico, faço o caminho de volta e desconecto do que não é meu.

BRUXARIA OU MEDIUNIDADE?


Bruxaria ou Mediunidade?

Mediunidade é apenas um termo para expressar a capacidade que  possuímos de intermediar com a dimensão espiritual. Enganam-se aqueles que a confundem  com "religião". Alguns mais, outros menos, estamos conectados 24 horas por dia com as dimensões sutis. Por isto, compreenda que a relação mediúnica está presente em tudo o que realizamos. Em seu trabalho, seja você um executivo ou um advogado, artista ou terapeuta, estará sempre recebendo as influências benéficas ou maléficas do mundo sutil, conforme sua sintonia.


Bruxas e Magos na luta do bem contra o mal




Não importa o nome que se dê e sim o conteúdo. Bruxas, magos ou feiticeiros, o significado está no inconsciente coletivo e no arquétipo que representam. São denominações diferentes para designar aqueles que conhecem os segredos da alquimia, os princípios que regem a vida terrena e sutil e sabem como usar e manipular energia vital, seja para o bem ou para o mal.