Superando o medo, a ansiedade e o pânico, na cultura do ego

O egoísmo se acoberta no guarda-chuva do medo. Além de fazer parte do espírito humano em sua condição atual, ele se sustenta em um fenômeno sociocultural, que, exacerbado, tem gerado o agravamento dos transtornos psicológicos, em geral. O medo que leva à ansiedade que desencadeia o pânico, fortalecidos pelo pensamento materialista e parcial sobre quem somos.
Achar que a razão é capaz de controlar a emoção, em parte, é um agravante. Quando a razão é apenas uma fração de conceitos e aprendizados limitados, ser racional é guiar-se pelos padrões e valores da mente identificada, egoísta e não consciente. Uma mente alienada pela prisão dos preconceitos.

Ser consciente é diferente de ser racional. A razão quer controlar segundo sua perspectiva engessada sobre a realidade. Tentar controlar é a escolha errada, porque, da tentativa frustrada do controle, os transtornos se retroalimentam, sem sair do labirinto em que se encontram. 

O medo, na dose certa, nos leva a reagir em situações adversas, tanto quanto pode nos paralisar ou nos tornar extremamente agressivos, numa overdose. Um recurso necessário para a sobrevivência das espécies, é uma reação emocional que serve ao corpo em sua trajetória terrena. O corpo se prepara para ser atacado, então, ele quer correr , atacar ou congelar. Todos os sintomas do transtorno de pânico são característicos de uma reação extrema corporal ao medo.

Quando o medo é internalizado pela mente e passa a fazer o papel de juiz, ele impede que novas vivências se realizem numa percepção mais ampla e diferente de seus aprendizados anteriores. O medo sustenta padrões negativos, repetitivos e constrói couraças psicológicas e emocionais. Na energia do medo, o foco passa a ser o destino final, num caminho de escuridão.

O medo nos conduz à busca por segurança. O presente não é acolhedor ou interessante, a prioridade é se preocupar em tentar controlar o futuro. E baseado em experiências passadas negativais impulsionadas pelo medo e pela dor, a ansiedade é gerada. Preso ao passado e ao medo da dor, tentando um futuro melhor. Mas deste modo, não há possibilidades, porque tudo está sendo tramado sob o domínio do medo.
A dor da perda, da frustração, da morte; seja de um relacionamento, de um desejo não satisfeito, de uma pessoa, de uma fase da vida, de uma situação financeira e profissional. O problema é a não aceitação das instabilidades e da finitude. E novamente voltamos ao mesmo ponto de desajuste, a cultura do ego.

O ego acredita que é alguém isolado dos outros. No ego, por exemplo, esquecermos que estamos todos no mesmo planeta e deveríamos fazer o melhor por ele e, consequentemente, por nós mesmos.
Construímos no mundo externo os nossos medos internos, literalmente. Da sensação de separação que vivenciamos em nosso psiquismo, passamos a nos expressar e nos relacionar.
Então, o medo é o impulso que é materializado na violência, nos conflitos entre nações e religiões. Nos perrengues na família, na vizinhança. Culpamos uns aos outros, julgamos e não compreendemos o que tem acontecido. 

Ele é o gatilho para os apegos e dependências emocionais. O medo é o nome do egoísmo.Não há como curar um machucado, tampando sua ferida com um pano sujo. Ao tentarmos nos enganar sobre a finitude material e a necessidade de compreendermos o significado da dor, não poderemos nos curar.
Você pode optar em continuar a tomar uma medicação para enganar a sua dor, a escolha é sua. Porém, não será o suficiente. Você precisará olhar para a ferida, entender as raízes de seu problema.
Não tenho nada contra tomar um remédio para a minha cefaleia, quando ela se torna insuportável. É um recurso do qual eu posso fazer uso em casos de crise aguda. Se for uma dor de cabeça ocasional, causada por uma virose ou uma comida estragada. É um problema esporádico. O que eu não devo fazer, é me esconder em mentiras, não é algo ocasional. Quando se diz que uma mentirinha, as vezes é necessária, ela não pode se tornar uma rotina. E uma pequena mentira pode levar a um grande e insustentável engano. Assim é o ego, um mentiroso, sempre pronto a evitar a verdade, a tomar consciência, a despertar. Ele é o único responsável pelo que temos vivido.

Olhe para tudo isto e pare de se envolver com esta loucura, isto sim é devaneio. Uma vida alienada, tentando esconder sua dor, sua ferida. Não tenha medo de ser inteiro, de entender que só morre quem vive e, portanto, é inconcebível a vida sem morte. Mas quem irá morrer é o seu ego, porque o seu verdadeiro ser é imortal, porque ele não está separado do Todo. E quando você puder compreender, então estará curado. Você não precisará viver sem seu ego, somente não deixe que ele tome lugar de destaque.

Você não tem que caber neste pequeno molde que a sociedade cunhou para você, liberte-se!
Segue abaixo uma experiência transpessoal para ajudar você em seu caminho de cura e superação do ego:

VIVÊNCIA COM O TODO, SAINDO DO EGO
  1. Sente-se confortavelmente em local de sua preferência, onde possa ficar alguns instantes contemplando uma flor, uma árvore, a natureza. Se não for possível estar junto à natureza, compre um vasinho de violetas e deixe-o, bem na sua frente, para contemplá-lo.
  2. Você tem o poder de se transferir para o pequeno vaso ou para o que estiver contemplando. Lance o seu olhar e toda sua atenção a ele.
  3. Veja a si mesmo indo em direção a plantinha.
  4. Você imagina, sente, visualiza, percebe todas as sensações daquelas pequenas violetas e capta a energia que emanam.
  5. Você consegue se sentir unido a elas, numa fusão, não há separação.
  6. Emane compaixão para todas as criaturas terrenas.
  7. Então, depois faça este exercício se sentindo Um com o planeta Terra e vibrando compaixão por todos os seres.
Namastê
Para saber mais sobre transpessoal acesse meu blog e inscreva-se https://www.psicologiaespiritualsita.blogspot.com.br

Orientação e terapia online com webam no skype , iinformações, valores e agendamento envie um email para https://nadyarsprado@gmail.com

canal do yoytube inscreva-se https://www.youtube.com/nadyaprem

Comentários